Jogo do Contente

Eaí meus amores tudo numa boa? Eu estava pensando sobre o que postar aqui para vocês, e me veio a memoria algo que aconteceu quando tinha 11 para 12 anos.

Faço parte de uma geração, assim como a maioria dos que me acompanham por aqui, que não sabe esperar e muito menos se contenta com o que tem, sempre quer mais e mais sem olhar ao redor e apreciar tudo que já conseguiu conquistar.

Lembro que estava insatisfeita por algum motivo, e meu pai já cansado de tentar me explicar por diversas vezes o quanto eu tinha a agradecer, resolveu naquele dia usar uma nova tática, foi até a sua estante de livros e de lá tirou um livro, com folhas amarelas e com muitas marcas de uso e do tempo que estava guardado, e eu logo pensei eu aqui querendo coisas novas e vem o meu pai me dar velharias, o mundo realmente é injusto.

Ele com toda a sua paciência me entregou aquele livro, que para mim não tinha nada de atrativo, então me olhou com um olhar doce e disse: “Ai dentro desse livro conta a história de uma menina muito parecida contigo, se ela não se chamasse Pollyanna certamente diria que é tu.” Sim foi preciso apenas isso, para que eu uma amante de leituras, parasse imediatamente a reclamação e embarcasse na tal aventura.

Comecei a leitura sem expectativa alguma confesso, e logo no começo da história já queria confrontar o meu pai e dizer que eu não tinha nada daquela Pollyanna, que vivia sonhando em um mundo melhor.

Foi exatamente ai que Pollyanna e toda a sua doçura mudou meu mundo, carrego esse livro até hoje comigo, e amo saber que dali saiu muitas lições que prático até hoje. Comecei esse texto para que de alguma forma também mude o seu dia a dia.

Pollyanna era uma pequena menina, que apesar do tamanho já havia enfrentado grandes perdas, primeiro da mãe e depois de um tempo o pai se foi e a menina se viu sozinha no mundo, foi morar com uma tia que tinha uma realidade um tanto diferente da que a menina até hoje viveu, lá ela encontrou uma casa cheia de riquezas e também com muita amargura e mal humor, foi ai que ela lembrou que seu pai havia ensinado um jogo, esse tal jogo que tento jogar ate hoje, nesse jogo tudo ficava mais leve até as dificuldade eram diminuídas quando jogado.

E eu logo dei risada, a vida jamais sera um jogo pensava, e foi um grande engano meu, o jogo consiste em ver um lado bom em todas as situações da sua vida, por mais complicada e dolorosa que seja procure o lado bom, no decorrer da trama a autora nos detalha varias situações da qual a personagem usou com excelência o seu jogo, e eu lá no auge dos meus 11 anos comecei a praticar, e pratico até hoje pois não é um jogo fácil de se jogar, mas eu garanto que o resultado são dias mais tranquilos e dificuldades mais leves.

Convido a quem quiser jogar, e também a quem quiser ler essa história que me mudou para melhor.

Um Beijo no Coração!!!

 

 

 

 

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: