E se eu fosse Mãe?!?

Eaí meus amores, tudo numa boa? Eu comecei um projeto lá no meu canal do youtube, que se chama: E se eu fosse Mãe?!, eu ainda não tinha trazido o assunto por aqui e então resolvi trazer não somente o assunto do primeiro vídeo, como também falar um pouquinho da ideia e de como ela surgiu…
Pra quem é novo por aqui e ainda não sabe, antes de realmente decidir o que eu queria para a minha vida profissional, eu estudei e trabalhei por 3 anos em escola como professora estagiaria pois estava estudando a área, e o que dizer sobre esse universo? É um universo que eu amo, amo pensar e analisar o comportamento dos pequenos e das suas famílias, amo falar sobre o assunto amo pesquisar sobre o assunto, porém a sala de aula não era o que eu realmente queria e quero, eu quero poder influenciar mamães e papais, quero poder mudar famílias e hábitos, a sala de aula nos propicia muita experiencia e prática porém pode nos limitar quando o assunto é sair da zona de conforto, tentar algo novo, pensar diferente, e por isso decidi que a sala de aula não era meu objetivo, porém o amor pelo universo familiar continua comigo, e sempre que surge um assunto em meio a família eu falo do minha opinião e na maioria das vezes sou escutada com seriedade mesmo não sendo mãe…
Foi exatamente nesse ponto, que começou a crescer em mim a vontade de trazer para o canal esse tipo de assunto, pensando e refletindo junto ao meu esposo, que é meu eterno companheiro em tudo, criamos o quadro e se eu fosse mãe, nesse quadro pretendo trazer assuntos do dia a dia e o meu pensamento sobre eles, eu espero que vocês gostem e posam aproveitar de alguma forma positiva na família de vocês…
O primeiro assunto que abordei no vídeo foi os sentimentos, percebo a cada dia que passa que os pais e os adultos ao redor das nossas crianças, estão cada vez mais anulando o que o pequeno sente e transgredindo sentimentos que muitas vezes nem nós adultos soubemos lidar, as crianças assim como nós adultos se sentem tristes, frustrados, brabos, ou até mesmo desanimados, e nós somos adultos capazes de ensinar ao nossos filhos a melhor maneira de lidar com cada um deles, lá no vídeo eu trago a situação em que vivi então para assistir o que falei por lá, Clique AquiVou sempre abordar aqui no Blog de uma maneira diferente do que pelo vídeo, então vale a pena acompanhar pelos dois meios, a minha sugestão para lidar de uma forma diferente com os chororos e batidas de pé dos filhotes é, vou passar uma lista que acho válida em ser analisada antes de nós acabarmos explodindo e agindo de forma muitas vezes mais infantil que as crianças:

Primeiro ponto a analisar é, estamos seguindo a rotina de sempre? A criança não teve sua rotina naquele dia cortada pela metade? Por exemplo se ele vai para a escolinha, na hora em que ele chorou gritou e bateu pé, não é o mesmo horário em que ele estaria tirando o soninho da tarde? Muitas vezes as crianças não sabem lidar com a quebra de rotina, e quando se trata de cansaço o assunto fica ainda mais complicado

Outro ponto que acho importante é, meu filho está chorando e frustrado por qual razão? Ele queria ficar mais tempo com as pessoas que ele ama como papai, vovó, vovô, a dinda e teve que se despedir tendo uma sensação de perda? Nesse ponto é muito importante analisar que aquela situação de separação na cabecinha infantil dele se trata de nunca mais se ver, afinal ele não tem noção de tempo ainda e as visitas são guiadas e decididas pelos adultos…

 

Agora você esta pensando, ta mas precisa tanto para dar um tchau?! então vou dar um exemplo prático, teu telefone tocou tu atendeu e do outro lado da linha uma mulher fala que sente muito mas a tua mãe, teu esposo ou ate mesmo a amiga de infância sofreu uma acidente e não resistiu, sentiu a dor? oook agora tu não pode expressar teu sentimento através do choro, segura ele afinal tu é adulta e não tem necessidade de estar chorando por pouca coisa…Imaginou? essa sensação de impotência fraqueza e tristeza é a mesma que teu filho sentiu ao ter que se despedir dos familiares que tanto ama, então vamos começar a abordar a tristeza de uma forma mais clara com nossos pequenos.

 

Agora queria tocar no assunto das nossas atitudes, sabe o que vai definir se teu filho quando se sentir triste vai chorar e expor a tristeza de uma forma madura, ou se ele vai ser agressivo se atirar no chão quando frustrado?!?! a maneira como tu responsável vai agir perante sentimento, se quando ele estiver chorando tu ameaçar, bater e ser agressivo, ele vai registrar que ficar triste e chorar é feio e não pode, mas que bater e gritar é a forma certa de expressar a dor que sente…

Bom meus amores trouxe quatro pontos que acho importante pensar quando o assunto é sentimentos, existem muitos outros pontos que podemos levar em consideração, espero ter te feito refletir e que de alguma forma os sentimentos sejam melhor avaliados daqui em diante…

Com amor Morgana Soares!!!

2 Comments

  1. Keila

    29 de maio de 2017 at 5:08 am

    Gostei de vários pontos citados e todos eles são desafiadores mas o de lidar com o choro, nossa… é muito desafiador.
    Gostei muito do post❣

    1. Moh

      8 de junho de 2017 at 8:40 am

      obrigada pela visita <3

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: